quinta-feira, 14 de julho de 2011

Melhor que tratar é prevenir!


Existe sim o tratamento, mas como profissionais da saúde o nosso maior objetivo não é o tratamento das doenças e sim a prevenção das mesmas por isso utilizamos de um estudo estatístico feito com, jovens e adolescentes para identificar a relação alimentar que os mesmo praticam, e dessa forma identificarmos os grupos de risco apontarmos a reversão de um pré-quadro anoréxico ou bulímico.Uma nutrição adequada é capaz de diminuir o estresse, ansiedade e a irritabilidade,além de facilitar o controle de peso e do humor. Auxilia também no combate a diversas doenças, torna seu tratamento mais eficaz e favorece o paciente com uma recuperação mais rápida. Igualmente, pode promover melhora no rendimento de esportistas, potencializar o desenvolvimento físico e cognitivo de crianças e adolescentes, contribuir para gestação plena e saudável e lidar com as alterações naturais do envelhecimento.


Utilizamos para isso então um estudo realizado com questões relativas aos hábitos alimentares e à imagem corporal que cada individuo possui, sendo este aplicado à uma comunidade escolar. Foram entrevistados o total de 113 alunos de anos distintos, com o objetivo de ter uma maior diversidade nas respostas, analisar vários anos escolares e ter uma amostra significativa em comparação com a população.

Hábitos Alimentares
1.         Costuma tomar o pequeno-almoço:
107 pessoas das 113 tomam o café da manhã; 6 pessoas não tomam o café da manhã. Pode-se concluir que a maioria toma a refeição mais importante do dia. Essencial para o decorrer do dia, quanto aos 6 que não tomam é interessante saber o motivo, para que se possa distinguir grupos de risco.

1.1.        Se sim, onde?
76 pessoas tomam o café da manhã em casa; 10 tomam-no na escola; 7 em casa ou na escola; 5 no café (lanchonete); 2 em casa ou no café; 1 em casa ou no carro; 3 em casa, na escola ou no café; 1 no hospital de Faro( hospital próxima a escola estudada). Nesta questão 2 alunos não responderam.Através deste tipo de observação entendemos um pouco mais sobre o dia dia da pessoa vale lembra que o estresse é um dos maiores fatores para doenças psicossomáticas e claro aumento de peso, tão evitado por todos.
 2.       Onde almoça habitualmente:


Verifica-se que 17 das pessoas inquiridas almoçam habitualmente na cantina, 2 no buffet, 38 no café(lanchonete) e 41 em casa. Nesta questão 15 respostas foram anuladas, pois responderam mais do que uma opção. É possível concluir, que a maioria almoça habitualmente em casa. Isso é algo positivo, pois entende seque em casa a alimentação é mais saudável e atende os padrões alimentares quanto a limpeza e demanda calórica. E claro almoço em casa significa almoço em família, o que pé bom para criar situações prazerosas quando se come junto a família é uma forma de criar uma relação positiva com os alimentos.

3.       Quantas refeições costumam fazer ao longo do dia:
Nesta questão, 5 alunos responderam que apenas fazem 2 refeições por dia, 20 responderam 3 refeições por dia, 79 responderam mais de três refeições, 3 responderam 4 refeições, 5 responderam 5 refeições e1 respondeu 7 refeições, concluindo pode dizer-se que 88 alunos fazem mais de três refeições por dia, podendo dizer-se que procedem corretamente quanto ao número de refeições realizadas por dia. Observa se que há alunos seguindo longos períodos de jejum, sem uma alimentação correta este é um dos principais sinais de alerta da Anorexia.

4.       Qual o tipo de comida que consome habitualmente:
Nesta questão, 95 pessoas dizem que consomem habitualmente comida caseira, 5 consomem fast-food, 2 enlatados e nenhuma come outro tipo de comida. Foram anuladas 11 respostas. Uma vez que 95 pessoas consomem habitualmente comida caseira, pode-se afirmar que frequentemente fazem uma boa refeição.Como dito no item 2 é um ponto positivo.
5.       Dos seguintes alimentos apresentados seleciona os que mais são consumidos no dia-a-dia.
1% da amostra come habitualmente gelados, 7% cereais, 11% pão, 4% doces, 1% hambúrgares, 1% cachorros quentes, 6% vegetais, 8% sundays, 8% sopa, 12% carne, 7% peixe, 8% massa, 9% fruta, 3% pizzas, 5% lacticínios, 7% iogurtes e 3% charcutaria. O tipo de alimentos mais consumidos é o pão e a carne. Não é uma combinação ideal ambos em excesso levam a obesidade, grande parte dos obesos pré mórbidos sofrem de bulimia.


6.       Com que frequência consome fruta:
Nesta pergunta, 79 pessoas dizem que consomem fruta 1 ou 2 vezes por dia, 23 responderam que consomem fruta 3 a 5 vezes por dia, 4 dizem que consomem fruta mais de 5 vezes por dia e 7 responderam que nunca comem fruta. Assim conclui-se que, na maioria dos inquiridos não há consumo frequente de fruta (3 a 5 vezes por dia ou mais). Quando não há uma boa alimentação é fácil de se adquirir varias doenças, e quando não se conhecem bem as propriedades de alimentos tão saudáveis como as frutas, nas dietas quando realizadas excluem as frutas, que são de baixa caloria e super importantes para perda de peso, tendo maior irritabilidade pela falta de alimentos certos e tendo dificuldade de perda de peso nesse ponto as dietas mirabolantes aparecem.

7.       Qual a frequência com que consome legumes/vegetais:
Nesta questão, 85 dos 113 alunos inquiridos dizem que consomem legumes/vegetais 1 ou 2 vezes por dia, 17 consomem legumes 3 a 5 vezes por dia e 11 responderam que nunca consomem vegetais. É possível afirmar que a maior parte da amostra inquirida tem um comportamento adequado em relação ao consumo de vegetais. Assim como o item anterior os legumes/vegetais são grandes aliados na perda de peso e mantenedores da saúde devem ser sempre ingeridos, na anorexia e bulimia a falta destes componentes acarretam várias doenças de desnutrição.

8.     Considera se com uma alimentação saudável:
Nesta questão, 87 dos inquiridos consideram que têm uma alimentação saudável; 19 acham que não têm uma alimentação saudável. 3 respostas foram anuladas e 4 não responderam. Verifica-se que a maioria dos inquiridos faz uma auto-avaliação alimentar positiva. Resta por parte dos pais observarem esta alimentação para saber se tem sido alimentação de jovens em fase de crescimento oi de bailarinos magérrimos.

Agora veremos além da alimentação algo muito importante quanto a classificação do individuo que se reconhece independente de forma, e o que pode estar se vendo de forma deturpada. Apesar de não vermos os indivíduos podemos lançar mão da psicologia para retrata-los 


Imagem Corporal
1.         Como caracteriza o estado físico:
Nesta questão, 1 resposta foi anulada e 1 pessoa não respondeu. Das respostas dadas, 15% da amostra não pensa no seu estado físico, 13% diz que está magro, 58% acha que está ideal e 12% acham que estão gordos. Assim pode-se concluir que a maioria se sente bem com o seu aspecto físico (no que respeita ao peso). Importante que entre os que se acham gordos que se observe realmente se for compatível com o apresentado que se ofereça tratamento alimentar ADEQUADO. Isto é essencial.

2.         Gostaria de mudar algo no corpo:
Nesta questão, 48% da amostra dizem que não gostariam de mudar algo no seu corpo, enquanto que, 52% (a maioria) afirmam que gostariam de mudar algo físico em si.´E um dado básico quando se trata de adolescentes deve se medir a intensidade com que querem especialmente relacionado ao peso.

3.         Segue habitualmente alguma dieta rigorosa:
Nesta questão, 9 alunos responderam que habitualmente seguem uma dieta rigorosa e 104 dizem que não o fazem. Dietas rigorosas devem ser avaliadas, e na idade em que se encontram são perigosas normalmente as dietas para esse publico são mais brandas e os exercícios muito mais incentivados.




3.1.        Porquê
71 alunos responderam que o seu peso está bom, 11 dizem que precisam de engordar, 11 dizem que precisam de emagrecer e 20 afirmam que necessitam de ter uma alimentação saudável. Programas de incentivo a uma alimentação saudável são indispensáveis para adolescentes por que eles aprendem agostar de se alimentar de coisas saborosas, que fazem bem e são de baixa caloria diferentes dos fast foods os quais eles fazem muito uso.
3.2.       Dieta  acompanhada por um nutricionista:
Nesta questão verifica-se que 3 das 9 pessoas que responderam que seguiam uma dieta dizem que a mesma é acompanha por um nutricionista e 6 alunos dizem que a sua dieta não é acompanhada por um nutricionista. Sinais de alerta novamente entre os alunos desta escola.




4.      IMC:

De acordo com o IMC de cada indivíduo, vemos que 77% da amostra tem um peso normal para a sua altura; 7% tem excesso de peso; 1% tem obesidade I; e 15% está abaixo do peso normal. Concluindo, é necessário que os 15% que estão abaixo de peso se dirijam ao médico, ou corrijam os seus hábitos alimentares bem como os 7%+1% que têm excesso de peso ou obesidade I, o que poderá trazer graves problemas para a saúde presente e futura destes jovens.

Após este estudo observamos que 15% dos alunos estão abaixo do peso, pode ser apenas por uma alimentação desleixada, mas de acordo com o item 3.2, 6 alunos fazem dieta rigorosa sem orientação médica e podem sim fazer parte do grupo abaixo do peso, indicando sintomas de anorexia e bulimia, parece exagero, mas na maioria das vezes os pacientes são identificados tardiamente quando o quadro se aprofunda e os tratamentos psicológicos e hospitalares se tornam intensivos, a prevenção é possível através de observação diária em casa e por orientadores na escola, como nutricionistas que são treinados para ver esses sintomas em qualquer pessoa.
Através deste estudo somos capazes de observar que aqueles com a alimentação mais adulterada, os que mais comem fast food, que não tomam o café da manha e que não são acompanhados por um nutricionista são mais propensos a obesidade, índice como visto que já tem aparição neste grupo estudado. Assim também podemos dizer que alunos que reduzem suas refeições em quantidade e também em espaço de tempo e sentem grande necessidade de emagrecer, e fazem dietas rigorosas sem orientação, são os alvos mais prováveis  dos distúrbios alimentares.

Este é o estudo ideal para ser entregue a nutricionista da escola que poderá oferecer uma orientação alimentar a esses adolescentes e será capaz de encaminhar o casos que ela considerar como princípio ou mesmo como um transtorno alimentar sendo então feito o contato com os pais e a orientadora da escola.

Educar os jovens e fazê-los se valorizarem é prevenir os transtornos alimentares...

Veja o vídeo a seguir, se eduque e eduque!






Essa prevenção, educando é primordial pois a seguir veremos as fatalidades e as lutas travadas para vencer  essas doenças e as suas recaídas.







Nenhum comentário:

Postar um comentário